play_arrow

keyboard_arrow_right

skip_previous play_arrow skip_next
00:00 00:00
playlist_play chevron_left
volume_up
chevron_left

Para ler

A praga da Dança

Por Guilherme Grazziotin


Background
share close

No ano de 1518, num dia como todos os outros em Strasbourg, na França, uma mulher, sem música nem motivo aparente, começa a dançar no centro da cidade.

Dica: Esse artigo está disponível em forma de podcast para os assinantes premium. Faça o login. Não tem conta? Assine o Escriba Premium.

O que parecia se tratar uma pessoa embriagada ou louca, rapidamente evoluiu para algo mais curioso, quando horas se passaram e a dança só terminou quando a mulher, Frau Troffea, caiu de exaustão no chão.

Mas, pouco tempo depois, se levantou e continuou a dançar.

Aquela dança incessante e sem sentido, que parecia não trazer nenhum prazer ou alegria para a mulher, chamou a atenção das pessoas que, depois do terceiro dia dançante, começaram a cogitar possessão demoníaca ou provação divina.

Foram vários dias de angústia até que Frau Troffea foi posta em uma carroça e levada a um templo nas Montanhas Vosges, mas a Praga da Dança tinha apenas começado.

Até o fim daquela semana, mais de 30 pessoas já estavam dançando nas ruas da mesma forma incessante e inexplicável, e o número só aumentava. Depois de um mês, mais de 400 pessoas foram afetadas pela praga e, todos os dias, algumas morriam de exaustão, desidratação ou ataque cardíaco.

Mas o que estava causando a Praga da Dança, como ficou conhecida?

Muitas teorias tentam explicar o que fez Frau Troffea começar a dançar daquela forma, levando quase uma cidade inteira a um dos acontecimentos mais bizarros da história.

A primeira teoria que surgiu foi que a dança era consequência de alucinações causadas pelo consumo de um fungo que cresce no talo do centeio, mas essa teoria é improvável. Além das alucinações, comer este fungo corta o fluxo sanguíneo das extremidades do corpo, causando dificuldades de movimento.

Outra teoria traz a tona a religião. Muito se espalhou que os dançarinos involuntários faziam parte de cultos hereges, mas, essa teoria foi descartada tão rápido quanto se criou. As expressões nos rostos de quem dançava não mostravam alegria ou vontade de estar ali, muito pelo contrário. Seus olhos exalavam dor e sofrimento.

A teoria mais provável é de uma histeria em massa e consequente estado de transe. De acordo com John Waller, autor do livro The Dancing Plague: The Strange, True Story Of An Extraordinary Illness, a cidade de Strasbourg passava por um período de extrema miséria. A fome, as doenças e a desesperada necessidade de acolhimento espiritual podem ter ocasionado um stress psicótico nas pessoas. Além da falta de comida, a região sofreu com surtos de varíola e sífilis. Por último, mas não menos importante, existia uma crença em não invocar a fúria de São Vitus, uma lenda católica que castigaria os humanos lançando uma praga onde todos dançariam compulsivamente.

Mas nenhuma dessas teorias explica, completamente, o que aconteceu em Strasbourg, em 1518.

Porém, a cidade francesa não foi a única cidade afetada pela Praga da Dança.

Registros mostram eventos similares que aconteceram ao longo da história. Como em 1247, na cidade germânica de Erfurt, onde 200 pessoas começaram a dançar misteriosamente em uma ponte que passava pelo Rio Moselle. A ponte cedeu e todos se afogaram. E, de acordo com registros de autores medievais, uma forte praga da dança assolou a região da Alemanha, Países Baixos e nordeste da França em 1374 fazendo as pessoas dançarem e gritarem de dor e agonia por dias ou até semanas.

Apesar de ter sido muito documentada, a Praga da Dança aconteceu 500 anos atrás, o que dificulta a busca por evidências que ajudam a explicar o que aconteceu na cidade de Strasbourg.

O fato é que, assim como se formou, a Praga da Dança, misteriosamente, sumiu.


BIBLIOGRAFIA

  • MacGowan, Doug. “Dancing Plague of 1518.” Historic Mysteries, Historic Mysteries, 28 June 2011, www.historicmysteries.com/dancing-plague-of-1518/. Accessed 11 May 2020.
  • Waller, John. “A Forgotten Plague: Making Sense of Dancing Mania.” The Lancet, vol. 373, no. 9664, Feb. 2009, pp. 624–625, web.archive.org/web/20141108120740/www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(09)60386-X/fulltext, 10.1016/s0140-6736(09)60386-x. Accessed 11 May 2020.
  • Waller, John. “BBC – Today.” Bbc.Co.Uk, 2015, news.bbc.co.uk/today/hi/today/newsid_7608000/7608874.stm. Accessed 11 May 2020.
  • Wallis, Paul. “Mystery Explained? ‘Dancing Plague’ of 1518, the Bizarre Dance That Killed Dozens.” Digitaljournal.Com, 13 Aug. 2008, www.digitaljournal.com/article/258521. Accessed 11 May 2020.‌

Artigo escrito em coautoria com Christian Gurtner

Tagged as: , , , , .

Participe da Discussão

Inscrever
Notificar por
guest
0 Comentários
Feedbacks no texto
Ver todos os comentários
Publicação anterior